Processo de Aprendizagem

(Last Updated On: 24/10/2016)

Provavelmente você já se pegou perguntando como aprendemos as coisas. Como as crianças aprendem a andar, uma nova língua ou mesmo como nós depois de certa idade continuamos com a capacidade de aprendizagem quase inerte. Aprendemos a praticar esportes, escrever, dirigir e muito mais.

A aprendizagem é um processo natural. Nosso desafio começa inclusive ao aprender a respirar fora da barriga da mãe, o choro acompanhado é uma forma primária de comunicação que dará lugar posteriormente aos sons e a língua estruturada mais tarde. Tudo que fazemos é aprendido de alguma maneira e algumas dessas coisas nos são ensinadas, outras são copiadas de outras pessoas e por vezes aprendemos intuitivamente ou até mesmo por tentativa e erro.

O processo de aprendizagem passa por cinco níveis:

  • Incompetência inconsciente
  • Incompetência consciente
  • Competência consciente
  • Competência inconsciente
  • Maestria

Para ficar fácil de explicar e compreender, utilizarei um exemplo que aprendemos com mais idade para ilustrar os cinco níveis. Infelizmente não dá para ter um exemplo universal, onde todos os seres humanos da face da terra passaram pela experiência, mas mesmo que você não tenha aprendido a dirigir, vai entender o mecanismo de aprender a dirigir!

Um dia, quando você ainda era uma criança, você percebeu que aquela pessoa (normalmente seu pai ou sua mãe) te levava para um lado e para o outro através de uma máquina e de repente você se deu conta do que estava acontecendo ali.

Antes disso, você não fazia ideia de que não sabia aquilo, pois você ainda não havia assimilado aquela atividade em sua mente. Naquele momento de completa ignorância você estava frequentando o nível de incompetência inconsciente, afinal você, além de não saber dirigir, não sabia que não sabia dirigir. Perceba o tanto que você precisava melhorar!

Enfim, você percebeu! Você sabia que precisava fazer algo para aprender aquilo, pois naquele momento de percepção você já sabia que não sabia dirigir. Perceba que você continua sem a competência daquele ato, mas como tinha consciência disso, podemos dizer que você estava frequentando o nível de incompetência consciente, o famoso “sei que nada sei“!

Bem, chegou o dia em que você decidiu aprender a movimentar aquela máquina. Quando tirou o carro do lugar, você percebia que literalmente não dominava aquela máquina e tinha que concentrar muito para não deixa-lo morrer, para fazer um bom controle de embreagem, etc. Qualquer coisa que te tirava atenção do carro, atrapalhava sua atividade, afinal sua competência era consciente.

A medida que você foi se familiarizando com a máquina, tudo foi ficando mais fácil. Até que chegou o dia que você nem precisava mais pensar para acelerar, frear, arrancar em um morro ingrime ou qualquer outra coisa que a primeira vista era mais difícil para você. Afinal, seu conhecimento sobre aquilo foi aos poucos sendo transferidos para sua inconsciência. Você poderia dividir inclusive as tarefas, já tinha domínio suficiente de dirigir e ao mesmo tempo se concentrar na mudança de estação do som, pois sua competência se tornou inconsciente!

Anos e anos se passaram com você dirigindo. Você estava em uma estrada fazendo uma curva quando de repente um caminhão invade sua pista! Você, por puro reflexo, tirou para um lado e para o outro sem usar o freio, então a traseira se deslocou, quando você sentiu que o carro estava perdendo a traseira, você diminuiu uma marcha e acelerou terminando a curva e retomando o controle do carro para si. Após a adrenalina daquele momento passar em seu corpo, você percebeu que fez um movimento que nem sabia que sabia, afinal, de tanto dirigir por anos e anos, atingiu um estágio de maestria!

Assim, como no exemplo do processo de aprendizagem da direção, tudo que você busca aprender passa por esse caminho: andar, falar, música, esportes, ou seja tudo!

Inclusive lançar novas perspectivas sobre a vida!

Felipe Santiago-

Barra lateral



Close